Uma infância cercada pela arte

Viajante e buscadora incansável, Ana Rita Simonka vive atualmente em Portugal onde respira o ar dos seus antepassados ​​portugueses e mergulha nas suas origens ibéricas para descobrir novas possibilidades para inspirar a sua vida e a sua arte. Ela foi criada no Brasil e cresceu rodeada de música e dança e desde criança está envolvida com as artes: seu pai é um renomado dançarino tradicional, o "Velho Pietro", e por vários anos ela trabalhou ensinando e fazendo shows de danças latinas com ele. Seu gosto pela dança a levou a um longo caminho que introduziu o Yoga e a Dança do Ventre em sua vida, despertando seu interesse pela meditação através das artes e iniciando seu interesse pela world music. Foi seu pai quem a levou para estudar música com nomes brasileiros de renome internacional como o Maestro Benedito Costa, o percussionista Papete, João Parayba e o Trio Mocotó e o violonista Carioca entre tantos outros. Desta eclética formação, Ana Rita destaca o estudo do violão clássico, do Choro Brasileiro e da Bossa Nova tendo como principais inspirações para desenvolver seu estilo de violão a influência de artistas como João Gilberto, Baden Powell, João Bosco e Toninho Horta. Milton Nascimento e Clube da Esquina são suas principais influências como cantora e compositora, certamente inspirada na herança de sua mãe que vem de uma típica grande família mineira. Minas Gerais ocupa um lugar especial na sua arte pois ela afirma que foi ali onde há mais de 300 anos a identidade cultural brasileira emergiu da mistura inusitada de cantos cristãos de portugueses e espanhóis dentro das igrejas barrocas, junto com os tambores africanos e os chocalhos e orações dos indígenas locais. Esse início revela a essência da fusão que define a alma brasileira: por meio da música, romperam-se as fronteiras entre pessoas de origens tão distintas, criando uma nação famosa por sua alegria contagiante, fraternidade espontânea e poderosa espiritualidade intuitiva.

Leave a comment

Please or register to post.

Add comment